28/06/2019

​A violência afeta mulheres de todas as etnias, classes sociais e regiões, de forma silenciosa em casa, na rua, no transporte público e no trabalho. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo: chega a 4,8 para cada 100 mil mulheres. Para propiciar a reflexão e levar informação aos trabalhadores pernambucanos sobre todas as formas de violência contra a mulher – seja física, psicológica, sexual, moral ou patrimonial – o Serviço Social da Indústria de Pernambuco (SESI-PE) oferece palestra de sensibilização sobre o tema para empresas situadas no Grande Recife até o Agreste. 

Ministrada pela facilitadora e analista do SESI-PE Maria José da Silva, a palestra dura aproximadamente uma hora, conta com roda de conversas e é realizada na sede da organização contratante. "Nós democratizamos a informação para todo o público industrial. O conteúdo aborda o conceito de violência, a importância da aplicação da Lei Maria da Penha, as diversas formas de violência, bem como apresenta dados estatísticos sobre homicídios e feminicídios e o papel social das empresas no enfrentamento à violência contra a mulher", antecipou.

Dados do relatório "Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar", feito pela Universidade Federal do Ceará em parceria com o Instituto Maria da Penha, apontam que o país deixa de gerar cerca de R$ 1 bilhão ao ano devido a prática. "A violência doméstica impacta negativamente na economia e desvaloriza o capital humano feminino. A pesquisa destacou, ainda, que as mulheres violentadas perdem, em média, 18 dias de trabalho ao ano por consequências diretas das agressões sofridas. Tudo isso ajuda a aumentar o absenteísmo e reduzir a produtividade, pois elas ficam psicologicamente abaladas", comentou.

Já o Ligue 180, canal telefônico destinado a atender gratuitamente mulheres em situação de violência e orientá-las sobre seus direitos e a legislação vigente, registrou de janeiro a julho de 2018 mais de 79 mil relatos, sendo os mais frequentes o de violência física e psicológica.

Em meio a esses números alarmantes, as empresas podem ter papel importante no combate à violência doméstica e no resguardo de possíveis vítimas. "Elas podem realizar algumas ações, como implementar treinamentos sobre a temática, promover palestras de orientação - como a do SESI-PE - para todo quadro de funcionários e criar canais internos de denúncias voltados para os casos de agressão", sugeriu Maria José. 

Presente no portfólio da Educação Continuada do SESI-PE desde maio, a palestra "Violência contra a mulher" custa R$ 130 e pode ser agendada através dos números 3412-8594 ou 0800-600-9606. Organizações filiadas ao Sistema FIEPE e ao sindicato da categoria têm 20% de desconto.

Para o gerente de Educação do SESI-PE, Michael Groarke, essa palestra é uma excelente oportunidade para as organizações estimularem a transformação pessoal de cada colaborador. "Essa ação faz parte da missão social do SESI-PE em promover a qualidade de vida da população e contribuir para o desenvolvimento do Estado. Ela impacta público de todos os gêneros. Para as colaboradoras, garante maior entendimento das leis e aborda comportamentos preventivos, enquanto que para os colaboradores esclarece sobre as formas de violência contra a mulher e revela diversos dados sobre femincídio", destacou.​