27/06/2014

SESI doa caranguejímetros à Reserva extrativista Acaú-Goiana

 

Dois mil caranguejímetros foram encaminhados à Reserva Extrativista Acaú-Goiana para incentivar pescadores e comerciantes a respeitarem leis ambientais da pesca do caranguejo. Feitos de plástico e semelhantes a uma régua, os instrumentos foram produzidos com recursos do SESI e vão beneficiar mais de 1500 famílias que vivem da captura do crustáceo. A entrega foi feita dia 26 de junho, na Casa da Indústria, em Santo Amaro.

Por lei, caranguejos menores de 6,0 cm não podem ser capturados, nem comercializados. Os caranguejímetros também trazem um orifício de 1,5 cm, medida mínima estabelecida para que os mariscos sejam capturados. A ideia dos caranguejímetros partiu do Conselho Deliberativo da Reserva Extrativista Acaú – Goiana que atua na preservação do ecossistema manguezal e uso sustentável de seus recursos pela população de pescadores da região, onde cerca de 9 mil caranguejos são capturados por mês.

"Estamos muitos satisfeitos em participar desse projeto em defesa do meio ambiente e da educação, que são dois importantes campos de atuação do SESI", disse o superintendente do SESI Pernambuco, Ernane Aguiar. Participaram ainda do evento, a diretora da Reserva Acaú-Goiana,  Marisol Pessanha, o presidente da FIEPE em exercício, Ricardo Essinger, e o gerente do Núcleo de defesa de interesses da FIEPE, Abraão Rodrigues.

A Fiepe participa do Conselho da Reserva, atuando na colaboração do desenvolvimento social, econômico e ambiental da região. "Esse é um passo inicial que pode render um grande resultado e certamente será adotado por outras regiões extrativistas", avaliou Ricardo Essinger. 

RESERVA - Criada em 26 de setembro de 2007, a Reserva Extrativista Acaú-Goiana abrange uma área de 6.678 hectares e tem o objetivo de proteger os meios de vida e garantir a utilização e a conservação dos recursos naturais renováveis utilizados pelas populações extrativistas de Carne de Vaca, Povoação de São Lourenço, Tejucupapo, Baldo do Rio Goiana, em Pernambuco, e Caaporã e Acaú, na Paraíba.